Dando Voz – Cibely Almeida

O dando voz de hoje dar espaço a modelo Cibely Almeida que compartilha conosco seu despertar e conscientização de sua beleza natural.

Dando Voz – Cibely Almeida

Eu sou a Cibely Almeida, tenho 16 anos e estou cursando o ensino médio e sonho um dia cursar psicologia. Sou bisneta de Yayá, neta de Elvira e filha de Darlene, uma linhagem de mulheres pretas das quais tenho muito orgulho e me inspiro. Hoje quero compartilhar a minha decisão de assumir meu cabelo natural, passando assim pelo processo da transição capilar.

Minha Transição capilar

Em 2016, com 12 anos, eu resolvi começar a minha transição. Eu alisava o cabelo com progressiva desde os 8 anos, porque não gostava dos meus cachos e do volume do meu cabelo, na maioria das vezes ele ficava preso em um coque ou rabo de cavalo.

Eu ouvi várias vezes que o meu cabelo parecia um ninho de passarinho, um bombril, que ele era volumoso demais, e várias outras coisas. Esses comentários começaram a mexer muito comigo, e acabar com a minha autoestima. Eu era apenas uma criança e ainda não sabia como lidar com isso.

Na época a minha mãe já alisava o dela e eu sempre via ela no salão fazendo químicas para deixar o cabelo liso e sem volume, foi aí que eu pedi para fazer a mesma coisa no meu.

No começo foi ótimo, o cabelo estava liso, brilhoso, com balanço. Mas isso era só nos primeiros dias, depois o cabelo foi ficando com as pontas super ressecadas, quebradiço, sem brilho, etc. Todo mês tinha que voltar no salão, passava mais de 3 horas sentada fazendo vários procedimentos químicos, doía, ardia, coçava, era horrível e caro pra durar só algum tempo.

Os comentários também não pararam, antes falavam que meu cabelo parecia um ninho, depois falavam que parecia uma palha. Isso foi me desgastando demais e por um período só usei coques, todos os dias, para ir a escola, igreja, shopping, todos os lugares, porque sentia vergonha da aparência do meu cabelo.

Foi aí então que descobri a transição capilar, inspirada pela Ana Lídia Lopes e os vídeos que ela produzia no YouTube, conversei com a minha mãe e ela me deu total apoio e até decidiu entrar nessa comigo. Cortei meu cabelo e parei com todo tipo de química. Porém, nem tudo foi flores, o cabelo metade cacheado, metade liso me incomodava demais, e essa foi a pior parte da transição, eu vivia de chapinha.

Depois me ofereceram um tal de “não tira os cachos, só abaixa o volume”, e eu caí, passei a química, realmente, abaixou o volume, mas alisou a raiz do meu cabelo, quando ele foi crescendo aquela parte lisa foi abaixando e eu passava novamente o produto na raiz, chegou um dia que eu só tinha uns cachinhos nas pontas do cabelo, foi aí que eu decidi parar com absolutamente qualquer tipo de química, entrei em uma segunda transição capilar. Nessa época as tranças me ajudaram demais, além de ajudarem no crescimento do meu cabelo, aumentavam a minha autoestima.

No dia 10 de Abril de 2019 fiz o meu BC e assumi o meu cabelo do jeito que ele é. A sensação de me olhar no espelho e ver que eu consegui, que acabou a transição, foi incrível. A transição foi uma transformação de dentro pra fora na minha vida, muito além da textura do meu cabelo, é sobre quem eu realmente sou, é sobre as minhas raízes.

Hoje eu me sinto completa e muito feliz com o cabelo que eu tenho, os comentários negativos não pararam, mas hoje eles não me afetam mais em nada e eu vivo uma verdadeira história de amor com o meu cabelo. Se você se identifica com alguma coisa na minha história, eu queria te encorajar a aceitar o seu processo e aprender a cada dia a se amar mais do jeitinho que você é, e parar de acreditar nas coisas negativas que dizem sobre você. Você é perfeito, perfeita do jeito que Deus te fez, porque ele não erra nunca, não ache que você precisa de procedimentos químicos ou cirurgias pra ficar bonito, bonita, se encaixar nos padrões. Que o seu padrão seja a sua própria felicidade e que você encontre a beleza na autoestima.

Cibely Almeida faz parte do casting de modelos do Desfile Beleza Negra, projeto cultural voltado a formação de modelos negros e sua inserção no mercado da moda, projeto idealizado pela produtora de moda Dai Schmidt.

O quadro dando voz em parceria com o Desfile Beleza Negra trará histórias reais de autoestima, motivação e superação, te convido acompanhar toda segunda-feira.

Gostou dessa matéria? Então assine nossa Newsletters para receber as novidades em primeira mão, basta cadastrar seu e-mail no campo Receba as novidades.

comCarinhoMariaUlhoa
  Siga o Blog Maria Ulhôa nas redes sociais:
FacebookTwitterYoutubeInstagram
Compartilhe...Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter
Email this to someone
email
Deixe uma Resposta.